quinta-feira, 22 de julho de 2010

Retrovisor

"Você dizia que me amava e me queria
E que jamais em sua vida
Gostou de alguém assim

Eu era tudo pra você
A flor do bem querer
Que nunca ia poder viver sem mim

Tanto cuidado, tanto mimo, tanto dengo
Cada dia mais crescendo
Dava gosto de se ver

Como se fosse transmissão de pensamento
Você ligava pra mim
Eu tava pensando em você

Diga onde foi que errei
Aonde vacilei
Fiquei de fora

Se foi tudo uma ilusão
Me dá meu coração
Que eu vou embora"

(Me dá meu coração - Santana)

Se todos os dias fossem iguais a vida seria um saco. Se todas as pessoas fossem iguais seriam, apenas, eu. Se todos os sentimentos fossem iguais seriam saudade. E seria eu, no mínimo, teimosa se discordasse de Darwin e da sua teoria evolucionista: só sobrevivemos se evoluímos; só evoluímos se nos adaptamos; só nos adaptamos se mudamos; mas a verdade é que algumas coisas deveriam permanecer exatamente como são.
Não que eu não mude nem que não goste dos efeitos da mudança, não é isso. O que me incomoda é o porquê de tudo. São os motivos ou a falta deles que, quase sempre, não são dignos. E se para crescer é preciso mudar e para mudar é preciso sofrer, talvez eu não queira mudar e muito menos sofrer. É uma lógica bobinha, eu sei, mas necessária para o auto-entendimento.
No fim das contas, é essa metamorfose toda e tudo que a acompanha que nos faz ver - e sentir - diferente . Ela nos retira da comodidade da inércia e de uma suposta segurança que julgávamos ter e nos expõe a novos fatos e a velhas falhas. E qualquer ato falho será um defeito na memória, um desejo inconsciente.
Se, hoje, sou o melhoramento genético do que vivi, sabe Deus o que vivi. O fato é que tem dias que a vida resolve nos dar um caldo só pra nos fazer perceber que ninguém - e eu digo NINGUÉM- é seguro o suficiente que não possa cair e nem tão bom que não possa ser substituído.
A minha carruagem tem retrovisor, pois sei que vão-se as causas, mas ficam as intenções - as mudanças e os textos-. Sobraram explicações e o que faltou ainda deve estar por aí perdido naquela antiga empolgação. "Que o teu afeto me afetou é fato", mas sempre chega a hora de ir - e eu vou embora.

20 comentários:

Anne Mirelly disse...

"E eu digo NINGUÉM", faria um texto desse! Parabéns amor, ficou lindo *-*

marcia disse...

Simplismente PERFEITO!!! Então, cantamos: ... O muito para mim é tão pouco e o pouco é um pouco demais...

Rousi disse...

kkkkkkkkkkkkk
"MUITO PRA MIM É TÃO POUCO E POUCO EU NÃO QUERO MAIS!"

:D

Anônimo disse...

Se é uma questão de evolução ou não, o fato é que vc tá cada vez melhor.

Sidney Andrade disse...

"Se, hoje, sou o melhoramento genético do que vivi, sabe Deus o que vivi."

PQP, essa merece ir pra minha frase do msn! E vai no twitter tbm.
Adorei o texto, e nem to dizendo isso só pra ser educadinho...

beijo.

Rafa disse...

É sempre ruim mudar. Mas o resultado vale a pena.
E sobre amores... muitos vêm e vão. Poucos são os que ficam.
Parabéns pelo texto Rousi.

Camila Lopes disse...

Amiga, falou e disse! Rée.. isso mesmo. Saudades rousinha. Amo você.

Marlla disse...

"Que o teu afeto me afetou é fato", mas sempre chega a hora de ir - e eu vou embora. Ih rapaz.. hahaha.. ficou show o texto amiga :) teamo

Renatinha disse...

Eu tenho pena de quem quer que seja o motivo inspirador desse texto kkkkk.
Tenho pena mesmo amiga.
No mais, muito bonito. Mesmo que o motivo não seja tão bonito assim.

Amo você ruiva gata e sinto sua falta.
BeijoMELIGA

Rousi disse...

Pena? Eu tenho pena é de mim.
Quer dizer, nem de mim. kkkkkkkkkkk
E os motivos já nem importam mais, só o que importa são os textos agora.
Amo você tbm, meu bem.
E venha me visitar em CG, né?

BeijoMEVISITA

kkkkkkkkkkkkkkk

Herβeth: disse...

já tava com saudade dos seus textos

Juliana Dunder disse...

Espero que seu retrovisor esteja alinhado que você possa enxergar com clareza o que vem atras, isso é importante!

Ângela disse...

Rouse deveria ser escritora, faria bastante sucesso!

Samilla disse...

"Que o teu afeto me afetou é fato".Adorei o texto amiga, muito lindo msm e pra vc mais uma vez, Parabéns! vc sempre surpreendendo =)

Du, Dudu e Edu disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
layce disse...

"E se para crescer é preciso mudar e para mudar é preciso sofrer, talvez eu não queira mudar e muito menos sofrer"

eu tambem nao quero mudar!
adoreiiii!

Yale disse...

Surpresa aqui estou! não conhecia esse teu lado, esse teu jeito de escrever!
Gostei muito do texto, minha ruiva sempre linda!
bjs :*

Marcella Motta disse...

Uau!
Nunca tive a oportunidade de ler um texto seu. E não imaginei, sinceramente, que leria algum dia.
Já fiz um blog, mas era mais um desabafo, sabe? Não era pra ninguém ler, apenas eu mesma. Gosto de pensar, refletir... E botar certas idéias e pensamentos no papel (ou blog) alivia. Não sei como, mas isso acontece comigo.
Pois é, Rousi, apesar de a gente nunca ter se falado muito, acabo de descobrir que ao menos uma coisa a gente tem em comum: a vontade de escrever. Isso faz tão bem, né? Pelo menos a mim. Embora ultimamente eu não venha escrevendo nada...
Na universidade a gente não escreve textos (não em medicina, não redações), e todo mundo me acha louca quando digo que tenho saudades de escrever redações! kkkkk
Ah, espero que você alcance seu objetivo no vestibular e, principalmente, que não pare de escrever.

=)

Leonardo disse...

Que me perdoem os outros (textos), mas esse é o melhor. Parabéns, gênio.

:*

Du, dudu e edu disse...

Não sei o que passa na sua cabeça e nem nunca vou saber.Ninguém nunca vai conseguir saber.
É impossivel entender o que move você, mas é muito bom lê-la com tanta clareza.
Faz tempo que eu não te vejo mas fico feliz de ver que tudo o que te sacode não te deixa ficar no mesmo lugar, mesmo que você não queira.
Mudar machuca, mas faz a gente ver diferente.. isso é um fato.
Saudade de quando a gente sonhava e achava que isso era suficiente.

Beijos

 
;