domingo, 17 de julho de 2011

Poema de aniversário

(23:59)... Amanhã o que muda?
O que o faz diferente?

Não adianta querer o posposto,
nem há graça em contar as desgraças.
Há mais gosto no silêncio disposto
e no sonhar com as próprias asas.

Nenhum ano é igual ao outro,
nenhum outro é tão diferente assim.
O dia forja o velho encontro
entre o que julguei e o que fiz de mim.

Zera o relógio, mas não o tempo
quanto dura o agora?

(00:00)... Hoje o que mudou?
O que o fez diferente?

Na frágil eternidade dos momentos felizes,
acha-se o fio, faz-se a história
Não importa o que trazem as cicatrizes,
tudo agora está claro diante da memória.

Foi-se o ontem de ser dois
veio o hoje ser só meu
não sei o que vem depois
tudo é o que se perdeu.

12 comentários:

SABOR DOS SABERES disse...

a vida é assim: doce ou atroz, manso ou feroz.
o importante é sempre (nos) procurarmos.

Raíssa disse...

Fico sempre sem palavras.

Neto Coutinho disse...

linda a poesia, vc dessa vez superou-se viu, parabéns, me vi dentro dela, bjos

Braulio Filho disse...

...e a inércia do tempo...

Myla disse...

Eu sabia que esse poema tinha ficado lindo, só pelo versinho que eu vi no caderninho.
Isso é tão a tua cara:
"O dia forja o velho encontro
entre o que julguei e o que fiz de mim"
Isso é tão a minha cara!
Que poema reflexivo!
Que poema lindo!

Parabéns amiga!

Gabi disse...

Muito lindo, muito mesmo! Um dos teus melhores!

Posso perguntar uma coisa? Por que o verso "Foi-se o ontem de ser dois"?

=***

Rousi disse...

Own ^^

Eu já ouvi um monte de explicações lindas desse verso e garanto Gabi que a conotação que você deu ao verso é igualmente linda.

Quer mesmo que eu explique? Garanto que a minha versão é a menos interessante!

Vandré Paulo disse...

Parabéns... Poesia linda

Fernando disse...

Essa nostalgia presente nos teus poemas me encanta!

Parabéns Rousi.

Anayam disse...

Sempre perfeitos!

Humberto de Lima disse...

Conterrânea da Paraiba e das Letras, você captou bem o sentimento que se instala em nós diante de datas importantes. Aniversário, ano novo...; às vezes esperamos que essas datas tragam mudanças mágicas para nossas vidas. Mas elas são apenas datas que vêm e que se vão, deixando-nos sozinhos com a responsabilidade de enfrentar o agora. Abraço da Serra do Bodopitá.

Anne Mirelly disse...

Veio o hoje ser só você, e Que Ser, viu... Texto fantástico! O decorrer do tempo é justamente o que você diz, minha amiga: "tudo é o que se perdeu". Só ficamos com a frágil eternidade dos momentos felizes.

Parabéns!

 
;